A CAT Consultoria tem orgulho de ser sergipana. <br />Há 25 anos atuando no mercado de Sergipe. A CAT Consultoria tem orgulho de ser sergipana. <br />Há 25 anos atuando no mercado de Sergipe. A CAT Consultoria tem orgulho de ser sergipana. <br />Há 25 anos atuando no mercado de Sergipe.

A CAT Consultoria tem orgulho de ser sergipana.
Há 25 anos atuando no mercado de Sergipe.

A CAT Consultoria tem orgulho de ser sergipana.
Há 25 anos atuando no mercado de Sergipe.

A CAT Consultoria tem orgulho de ser sergipana.
Há 25 anos atuando no mercado de Sergipe.

Sergipe

X

Por Fernanda Araujo

O Governo de Sergipe vai rescindir o contrato com o Consórcio Honcose, responsável pela construção do Hospital Especializado em Câncer Governador Marcelo Déda Chagas, em Aracaju (SE). Com a medida, o governo terá que realizar uma nova licitação para a obra, que já se arrasta desde 2013.

A obra, localizada ao fundo do maior hospital público de Sergipe, o Huse, está com apenas 2,82% executados, conforme levantamento feito pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) durante visita ao local. A Corte vai investigar os motivos da demora e onde os recursos estavam sendo aplicados. 

A ordem de serviço foi assinada em fevereiro desse ano e o hospital estava previsto para ser entregue em 36 meses, mas dificuldades financeiras da empreiteira vencedora da licitação impediram o avanço na construção, segundo informações da Secretaria de Estado da Saúde (SES).

O governador Jackson Barreto fez uma visita na manhã de hoje (11) na obra do hospital e não gostou do que viu. Por conta dos atrasos, o governador determinou ao secretário da Saúde, Almeida Lima, convocar a empresa para propor um rompimento amigável do contrato, do contrário, fazer recisão em caráter unilateral por parte do Estado “diante dos fatos que depõem contra o calendário da obra”.

“Tudo isso porque a empresa tem se mostrado sem condições de realizar a obra por falta, inclusive, de recursos financeiros para bancar, faturar e receber, já que os recursos estão disponibilizados na Caixa Econômica”, disse Almeida Lima.

São mais de R$ 126 milhões em investimentos no projeto, terraplanagem, prédio e equipamentos. O projeto prevê unidades de emergência, de fisioterapia, ambulatorial e laboratorial, centro de tecnologia para transplantes de medula, dois aceleradores lineares, dois bunkers e radioterapia, braquiterapia, ressonância magnética, unidades de cintilografia e mamografia, tomógrafo e radiografia. São 170 leitos, sendo 120 leitos adultos, 30 infantis e mais 20 de UTI.

Com informações da Secretaria de Estado da Comunicação 

« | Home | »